sexta-feira, abril 29, 2011

Dalva Saudo > Ciranda do Nosso Sarau



Homenagem à Ciranda do Nosso Sarau da Biblioteca Pública Municipal Central

 Ciranda respeitosa, irreverente,
Não tem café, nem coquetel
Mas que delícia... estar presente!
Sem inscrição para declamar...
Sem datas alusivas para comemorar,
Sem ninguém programar...
Na hora certinha
Você sente sua vez de brilhar.


No prazer de recitar
Escolhe-se a poesia e o jeito de ficar:
De pé? Sentado?
Como quiser!
Só não vi ninguém deitado!

Poeta de renome?
Às vezes aparece algum.
Mas o importante mesmo,
É o nome de casa um
Da luminária Ciranda literária!

Ciranda do Ator Declamador
Intérprete da alegria e da dor.

Ciranda do Nosso Sarau!
Ninguém vai atrás, nem tenta expulsar,
Se faltar... nem precisa justificar!
Nunca vi sarau tão harmonioso
Sem ser cerimonioso!

Sentimo-nos como pássaros em liberdade
No melhor sarau desta cidade!
É incrível, mas é possível viver em paz
Onde a regra única é amar o que se faz.

Gira, Gira Ciranda de platéia encantada
Encanta com seus versos e rimas!
Gira, gira... Porque nessa Ciranda,
Cada poeta artista é protagonista!

Protagonista principal,
Com foto até no convite mensal!
Para o Nosso Sarau, 
Da Biblioteca Central  municipal!
Poetas e declamadores na Biblioteca

Um comentário:

Regina Gois disse...

Adoro o Nosso Sarau.
Lá, eu também me sinto livre. Fico triste quando não posso ir.