domingo, fevereiro 12, 2012

Dona do nada


Não sou dona de ti,
não sou dona de mim,
não sou dona de nada,
E assim, andarilha que sou.

sorrio este sorriso desprendido
de quem nada precisa...

Mas o apego vem, ele vem,
Ele sempre vem...
Então pobre de mim,
pobre de mim!

E se eu chorar meu choro
e refletir teu ser, entenda.

Andarilha sou, mas carrego
comigo as tralhas de ti....

Nenhum comentário: